Qual o maior problema da saúde no Distrito Federal? Para o primeiro secretário do atual governo, João Batista, o orçamento é insuficiente para o setor. Fábio Gondim,  o atual titular da pasta,  afirma  que entre 80% a 90% dos problemas se resolvem com gestão, e em audiência pública no Senado Federal, na semana passada, representantes da Secretaria apontaram o déficit de pessoal como o grande empecilho.

Por Augusto Madeira, presidente do PCdoB-DF

Enquanto os gestores não chegam a uma conclusão, a população fica à mercê de um serviço demorado, quando não inexistente, falta de medicamentos e leitos, contaminação de superbactérias e deficiência no atendimento básico. A Saúde no DF encontra-se em Estado de Emergência desde o dia 19 de janeiro deste ano.

Na reunião ocorrida no Senado, foi revelado que os servidores da saúde estão doentes. O Hospital de Base ficou em determinado período com nada menos que 80% de seus trabalhadores de enfermagem afastados por atestados.

A situação pode ficar mais grave, caso se confirme as suspeitas da categoria de que o governo pode não pagar em setembro os reajustes previstos na lei.

A população tem, cada vez mais, procurado a Justiça para ter acesso aos serviços de saúde. Nos últimos meses, mais de 15 mil pessoas procuraram assistência jurídica e mais de 1,2 mil ações já tramitam, segundo o defensor Celestino Shuppel.

Na campanha eleitoral, o atual governador prometeu o fim das filas, com marcação de consulta por telefone e internet, aumento do número de médicos para não faltar atendimento, ampliação da capacidade dos hospitais, manutenção do estoque de remédios e materiais necessários ao bom atendimento, farmácia popular com 50 remédios de graça, desconto de 17% em todos os remédios. Após quase um ano da eleição, as promessas e a realidade estão cada vez mais distante.

Anúncios