corvoaeroeira

Não surpreeende a nova denúncia sobre o pagamento de propinas em Furnas que seriam destinadas ao PSDB e a Aécio Neves, agora feita pelo delator Fernando Moura, o que diz e desdiz conforme a pressão que sobre ele exercem.

É a terceira, porque antes já o haviam dito o megadelator Alberto Yousseff e o carregador de dinheiro conhecido como Ceará,  o doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, o qual, aliás, está estranhamente perdoado pelo Dr. Sérgio Moro, como registrou a infatigável  Helena Sthephanowitz.

Também não há surpresa no tipo de cobertura discretíssima que a imprensa faz sobre isso, ainda mais que existe uma palpável ligação entre Aécio e Furnas: o seu pai, já morto, ter sido dirigente da empresa durante o período FHC e boa parte do Governo Lula.

O que significa isso perto de um barco de lata ou de um “pombal” de classe média no Guarujá?

Como, até agora, prevalece o pedido de arquivamento das investigações sobre o senador e “presidente moral” do Brasil feito pela Procuradoria Geral da República, pode-se dizer que ele não é investigado.

Como os jornais e revistas não publicam, ou publicam discretamente, sem qualquer iniciativa de aprofundar suas pesquisas, Aécio também não é “publicado”.

E, como não é investigado ou publicado,fica-se na instigante proposição da física quântica de que os fenômenos, antes que sejam cientificamente observados, permanecem em um estado de indefinição que desafia toda lógica: são e não são, estão vivos e mortos.

O que, de certa maneira, combina com este papel que Aécio desempenha hoje na vida brasileira: a de ser a assustadora assombração da mediocridade da política.

Por Fernando Britto no Tijolaço

Anúncios