CLDF vai investigar manobra fiscal que retirou dinheiro federal de programas sociais do DF

 

rodrigo-e-aecio

A Câmara Legislativa investigará o contingenciamento, feito pelo governo Rollemberg em 2015, de R$ 12 milhões repassados pela União para programas de assistência social. Segundo a presidente da Casa, deputada Celina Leão (PPS), a manobra fiscal foi, no mínimo, “absurda”, considerando que milhares de famílias carentes dependem desse dinheiro para sobreviver.

“É um absurdo o governo perder recursos assim. Querendo aumentar impostos e sendo incompetente para executar o que tem. Já tinha a possibilidade de executar e desperdiçou”, registra a presidente. Agora, “precisamos fazer uma avaliação de onde está o erro, se foi na equipe técnica. Já estamos com falta de dinheiro para tudo e perdemos R$ 12 milhões. Realmente é muita incompetência e precisamos de uma solução”, afirma Celina.

Análise interna

Para o Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do DF, instituição que denunciou o contingenciamento, a retenção de verba federal carimbada é equivalente a uma pedalada fiscal. “A gente está pedindo uma análise interna, das unidades técnicas aqui da Casa, para averiguarmos se foi ou não pedalada.  Temos que aguardar. Mas vamos fiscalizar isso a fundo”, comenta a deputada.

Independentemente  de  ter sido legal ou não a manobra, Celina considera que a retenção do dinheiro foi imoral. O contigenciamento na assistência social foi além dos recursos federais disponíveis para o Buriti. Contando com verbas próprias, a retenção chegou a pouco mais de R$ 29 milhões.

Relator manda estudar contas dos repasses

O Tribunal de Contas do DF também pretende apurar a manobra orçamentária da gestão Rollemberg. Ao tomar conhecimento do episódio, na reportagem publicada ontem pelo Jornal de Brasília, o relator das contas do governo em 2015, conselheiro Paiva Martins, determinou uma análise do corpo técnico da instituição sobre o contingenciamento dos recursos repassados pelo Ministério do Desenvolvimento Social.

A princípio, o estudo preliminar  buscará determinar se a retenção da verba federal tem repercussão na análise das contas do Buriti. A despeito do resultado das apurações da Câmara e do Tribunal, o presidente do Sindicato dos Servidores da Assistência Social, Clayton Avelar, julga que o contingenciamento já causou problemas concretos para a população e também para os funcionários públicos do setor, levando em consideração a grave crise econômica nacional.

“Nessa situação, as famílias vão procurar a Assistência Social. E lá procurando acabam não sendo atendidas adequadamente. Por que? Porque o governo contingenciou os recursos”, lamenta Avelar. Segundo a Secretaria de Planejamento, o contingenciamento foi feito por força de decreto. Já a pasta do Trabalho e Desenvolvimento Social justificou-se alegando não houve tempo hábil para aplicação do dinheiro dentro das normas legais e que procurou investir tudo o que foi possível em 2015.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. Mais uma vez um sinal da falta de habilidade politica e gestão desse governo. Rollemberg tem se mostrado pautado pelos conservadores e adotado a tatica de terra arrasada, seria para em 2018 se mostrar como um messias da salvação do DF com liberação dos recursos contigenciados??

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s