Acaba esta semana o recesso parlamentar do Congresso Nacional e o retorno das atividades acontece no dia 02 de agosto, quando está prevista a votação da denúncia de corrupção passiva, apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Michel Temer, no plenário da Câmara dos Deputados.

Durante as duas semanas do recesso, no entanto, as articulações não pararam. Conforme veiculado amplamente, o Palácio do Planalto foi transformado num balcão de negócios, com milhões em liberação de verbas de emendas parlamentares, para livrar Temer a qualquer custo.

Há rumores de que a sessão da Câmara será transmitida, ao vivo, inclusive pela Globo que poderá alterar sua programação. Com isso, os deputados da base do governo temem que o voto em favor de Michel Temer possa comprometer as eleições futuras.

Com a ameaça de o PSDB desembarcar do barco governista, no último sábado, Temer convidou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que também foi delatado pelo dono da JBS, Joesley Batista, para um jantar no Palácio do Jaburu, para assegurar os votos do PSDB. Aécio está afastado da presidência do partido e é a favor de se manter no governo. Já Tasso Jereissati (PSDB/CE), que está na presidência do partido interinamente, quer deixar o governo.

Temer calcula que ganhará a votação na Câmara

Um dos principais articuladores governista, e também investigado pela Lava Jato, o ministro Eliseu Padilha disse que o governo está preparado para seguir em frente sem o PSDB, embora queira que o partido, que também têm denunciados, permaneça na base.

Padilha, que também é tido como um dos grandes “contabilistas” do governo, garante que têm votos suficientes na Câmara para impedir o prosseguimento das investigações contra Temer. Pelos cálculos do governo, aproximadamente 250 deputados deverão votar pelo arquivamento do processo.

Se houver quórum, esse número é suficiente para impedir que Michel Temer seja investigado por corrupção passiva, conforme a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Mobilizações pelo Brasil

A Frente Brasil Popular (FBP) está convocando atos nas capitais na próxima quarta-feira (2), dia da votação da denúncia na Câmara. A orientação é que as entidades que compõem a FBP coloquem telões em locais públicos de grande concentração para que a população possa acompanhar a votação. Em Brasília, carros de som estão convocando a população a se concentrar no gramado, em frente ao Congresso, a partir das 17h.

Além disso, é necessário que haja uma grande pressão sobre os deputados, em suas bases eleitorais e por correio eletrônico até o último momento, para assegurar que a investigação contra Michel Temer prossiga no Supremo Tribunal Federal (STF).

De Brasília, Sônia Corrêa – Portal CTB

Anúncios