Fotos: Joaquim Dantas

Durante a 19ª Conferência do PCdoB/DF foram homenageados três lutadores do povo brasileiro.

O primeiro homenageado foi o comunista Rogério Lustosa, falecido há 25 anos, no dia 21 de outubro de 1992. Segundo o jornalista Carlos Pompe, que conviveu com ele: “Rogério era uma pessoa agradável, brincalhona, mas rígido no que dizia respeito às tarefas e orientações do Partido. Em meio às reuniões de pauta e encontros, dentro ou fora do trabalho, transmitia seus conhecimentos e vivências”.

Outro lutador homenageado foi o ex-presidente da UNE, Honestino Guimarães, um dos desaparecidos na ditadura e que hoje empresta seu nome ao DCE da UnB, ao Museu Nacional de Brasília e uma das pontes do lago Paranoá. A homenagem à Honestino foi feita pela atual direção do DCE e pela União da Juventude Socialista

E por fim, a Conferência homenageou o saudoso João Lopes, nosso Joãozinho, que nos deixou no início deste ano.

Além de um vídeo feito em sua homenagem, também houve a entrega de uma placa em sua homenagem à sua ex-companheira Stela e aos filhos.

Para o presidente do PCdoB/DF, Augusto Madeira “João Lopes foi um lutador sem tréguas contra a injustiça e a favor do povo brasileiro”.

Em sua homenagem, Madeira citou a mensagem de José Mujica sobre os militantes:

“Que seria deste mundo sem militantes?
Como seria a condição humana se não houvesse militantes?
Não porque os militantes sejam perfeitos, porque tenham sempre a razão, porque sejam super-homens e não se equivoquem. Não é isso.
É que os militantes não vem para buscar o seu, vem entregar a alma por um punhado de sonhos.
Ao fim e ao cabo, o progresso da condição humana depende fundamentalmente de que exista gente que se sinta feliz em gastar sua vida a serviço do progresso humano.
Ser militante não é carregar uma cruz de sacrifício.
É viver a glória interior de lutar pela liberdade em seu sentido transcendente”.

De Brasília

Gustavo Alves

Anúncios