Manuela: Não há desenvolvimento se as mulheres não forem protagonistas

A União Nacional dos Estudantes (UNE) realizou no sábado (31) o seu 8º Encontro de Mulheres Estudantes, na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), com a participação de lideranças femininas de gerações distintas.

A resistência feminista frente ao golpe e ao avanço neoliberal conservador foram alguns dos temas debatidos no evento, que contou com a participação da pré-candidata à presidência da República, deputada estadual licenciada e ex- diretora da UNE Manuela D’ávila (PCdoB).

Segundo Manuela, não pode haverá desenvolvimento nacional se as mulheres não forem protagonistas da construção dele.

“Para mim gênero não é uma pauta identitária. Para mim debater mulher é debater o desenvolvimento do Brasil. Como vamos debater indústria se a cada mil brasileiros que entram na graduação só um é uma mulher numa área de tecnologia dura, nas engenharias, na informática. Como é que vai desenvolver a indústria se 52% do povo somos nós mulheres dentro daquilo que há necessidade para que sejamos uma nação desenvolvida?”, questionou da pré-candidata.

Manuela salientou que as desigualdades entre negros e brancos, entre mulheres e homens e a força de opressão à população LGBT são centrais para estruturar a desigualdade econômica que são a base da desigualdade brasileira.

“O grande grito que nós temos a obrigação dar é que queremos construir um caminho que seja radicalmente democrático e não existe democracia enquanto nós somos invisibilizadas. Não existe democracia enquanto a única candidata mulher de esquerda sou eu, se fomos sobretudo nós mulheres de esquerda que resistimos ao golpe e ao desmonte de Estado isso para mim diz muito. Porque isso demostra que na hora H a democracia não nos envolve diretamente”, reforçou.

Em sua página nas redes sociais, Manuela afirmou que o encontro “é motivo de muita esperança”. “São muitas e muitas meninas, do Brasil todo, reafirmando que ocuparemos o poder e transformaremos o Brasil”, frisou. “Também é muito emblemático que esse encontro se chame Marielle Franco. Uma mulher, jovem, lésbica, negra e moradora de uma favela. Essa é a resistência com a cara da Marielle. Essa é a cara do Brasil. “, acrescentou.

A vereadora de Niterói, Talíria Petrone (Psol) também foi uma das palestrantes do encontro. Ela salientou que a mulher precisar promover uma revolução, mas que esta revolução também precisa ser negra.

“Que representatividade queremos quando falamos em mulheres no poder? Queremos ocupar o poder para quê? É para subverter, é para romper. É para imprimir um programa de feminismo radical, isso é necessário. A conjuntura está assustadora. O Brasil amarga índices de ser o país que mais assassina transexuais no mundo, o Brasil mata 30 mil jovens por ano e a cada 100 jovens, 71 são negros, isso é real e temos que encerrar agora esse genocídio do povo negro. São filhos de mulheres negras como muitas de nós, isso precisa acabar”, advertiu a vereadora.

Oriunda de um estado que está sob intervenção militar na segurança pública, Talíria defendeu que é preciso regulamentar o modelo de segurança, legalizar e regulamentar as drogas e defender o povo negro.

“Isso significa analisar a conjuntura de golpe, mas sem esquecer a realidade brasileira e sem colocar a questão racial como penduricalho como na esquerda. E eu falo nós porque temos que dar a cara ao feminismo que queremos construir”, defendeu.

Talíria, que é do mesmo partido da vereadora carioca assassinada, ressaltou que o assassinato da Marielle Franco foi um ataque ao resto de democracia que existia no Brasil. Ele argumenta que a democracia não se consolidou para o povo que vive na favela.

Para a deputada federal Margarida Salomão (PT-MG), a aliança entre os ultraliberais e os conservadores atual trouxe retrocesso ao país, como as reformas do governo de Michel Temer.

“Foi aprovado recentemente a Base Nacional Curricular Comum que reintroduz o ensino religioso e elimina a possibilidade de ter nos currículos escolares a discussão de gênero. Ao mesmo tempo se abriu campo para que conteúdos curriculares sejam vendidos para empresas privadas que virão, por exemplo, a dar aula de inglês na escola pública. Essa aliança espúria agride as mulheres e todas as pessoas que tem uma visão de família como a Marielle que era casada com outra mulher”, destacou.

Margarida também destacou a grande ofensiva neoliberal no mundo todo que ao desmontar o Estado de bem estar social – extinguindo políticas de proteção social- exige que as mulheres voltem para a casa para cuidar dos filhos de dos velhos.

Do Portal Vermelho, com informações da UNE

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s